Implementação da internet das coisas chega a 10% na América Latina, diz Cisco

 

Cancún (México), 3 nov (EFE).- A implementação da internet das coisas (IoE, na sigla em inglês) chegou a 10% na América Latina, uma porcentagem baixa mas que, no entanto, representa um "grande avanço", segundo afirmou nesta terça-feira a companhia de tecnologia Cisco.

"Ainda não temos a massificação que queríamos, mas, embora seja complicado saber com precisão, áreas como automatização e os 'utilities' já adotam a tecnologia", explicou à Agência Efe Amri Tarsis de Oliveira, diretor de IoE da empresa americana, durante a Cisco Live! , evento mais importante de desenvolvedores da região.

Para a companhia fornecedora de serviços de telecomunicações, países como Brasil e México, pelo tamanho de seus mercados, e Colômbia, Chile e Peru, por seu crescimento, estão na vanguarda.

Nesses países, avanços no transporte público solicitado por meio de aplicativos, uso de tecnologias em elementos cotidianos como eletrodomésticos e a difusão dos dispositivos móveis estão alavancando esse crescimento.

"O que estamos vendo hoje é um momento no qual temos inovação, sobretudo em sensores ou em áreas como a segurança. Parece que é pouco, mas, na verdade, é um grande passo para a região", acrescentou o executivo brasileiro.

Tarsis definiu a internet das coisas como "uma boa ferramenta para economizar tempo e dinheiro". Também recomendou o uso da grande quantidade de dados produzidos pelos dispositivos que se conectam à rede para fornecer o desenvolvimento de novas soluções para os usuários finais que "são os mais beneficiados".

No entanto, esclareceu que há outras áreas de negócio, como a saúde e a indústria, nas quais foram registrados avanços mais pela "presença de desafios", entre eles a falta de modelos de negócios efetivos ou carência de tecnologia necessária.

Isso se somou "a grande ausência" de regulações locais que permitam o impulso de programas de massificação da internet das coisas, um tema no qual o executivo considerou como líderes de inclusão o México e o Brasil.

De acordo com Tarsis, quando esses obstáculos forem vencidos, a experiência individual dos usuários finais, a possibilidade de monitorar a própria saúde, o entretenimento, a segurança dos lares e a eficiência das empresas melhorará.

Nessa linha, a Cisco estima que, atualmente, 99% das "coisas" não estão conectadas e estimou em US$ 860 bilhões a "oportunidade" de negócios que a América Latina oferece para empresas fornecedoras de tecnologias de conectividade.

"O bom é que muitas empresas já estão realizando projetos e experimentando com a tecnologia. Esse é o primeiro passo. Vamos ter um avanço exponencial nos próximos anos", comentou.

O executivo da Cisco destacou as facilidades que seriam acrescentadas à rotina diária com uma maior divulgação do uso da internet das coisas.

"Temos que pôr fim à ideia de que a América Latina está atrás. Há muitos bons exemplos que a região avança", concluiu Tarsis, que dirige o Fórum de IoE da Cisco Live!, que segue até quinta-feira na cidade mexicana de Cancún, com participação de 5 mil pessoas. 

 

fonte: http://economia.uol.com.br/noticias/efe/2015/11/03/implementacao-da-internet-das-coisas-chega-a-10-na-america-latina-diz-cisco.htm

Please reload

Posts Recentes
Please reload

  • Wix Twitter page
  • Wix Facebook page
  • Wix Google+ page
  • LinkedIn Social Icon